Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.
07-03-2019

Depois da abortada operação “humanitária” contra a Venezuela do passado fim de semana, é útil recapitular a natureza e o papel do braço da CIA conhecido por USAID.

As 10 funções da USAID, a mega agência "humanitária" da CIA

NAZANIN ARMANIAN


Os camiões de caridade USAID destinados a Venezuela continuam estacionados na fronteira com a Colômbia, enquanto Donald Trump, o homem que personifica a solidariedade, ameaça o país sul-americano com um ataque militar: quer milhares de venezuelanos que morrerão sob o impacto de bombas e balas o façam com um estômago cheio de bolachas que não pôde vender no mercado dos países desenvolvidos, talvez por utilizarem sementes modificadas, ou porque tinham o prazo a expirar.

A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) foi criada em 1961 com a intenção de alargar o “Plano Marshall” aos países estratégicos do mundo, canalizando as suas políticas para 1) impedir que as forças comunistas - que se reforçaram ao derrotar o fascismo na Segunda Guerra Mundial - tomassem o poder, e 2) abrir novos mercados para as empresas dos EUA. A ligação entre a USAID e a Secretaria de Segurança Pública, então dirigida pelo agente da CIA Byron Engle, tem sido renovada ano após ano: em 2015 Barack Obama nomeou a directora do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca Gayle Smith como directora da agência.

De acordo com WikiLeaks, entre 2004 e 2006 a USAID realizou diversas acções na Venezuela e uma doação de 15 milhões de dólares a dezenas de organizações civis, a fim de levar a cabo a estratégia do ex-embaixador dos EUA na Venezuela, William Brownfield, baseada em provocar fractura no chavismo e organizar os sectores descontentes com as reformas do Partido Socialista Unido da Venezuela.

As funções da USAID

1. Escolher o país certo para o projecto preparado pela Secretaria de Estado e, obviamente, nem sempre é o mais necessitado. Em seguida, a agência deve decidir em que sector se vai envolver, embora os seus preferidos sejam os da energia, educação, saúde, segurança e agricultura. Neste substitui usualmente a produção de culturas alimentares por comerciais. Posteriormente, coloca os seus efectivos em posições-chave para subverter as economias locais. Por vezes contrata valiosas pessoas nativas solidárias, para reduzir aqueles que deveriam ser militantes nos partidos políticos para uma mudança fundamental a meros gestores de caridade. No Iraque colonizado, a USAID injecta a economia neoliberal, impõe privatizações maciças, incluindo parte da indústria do petróleo, e obriga a teocracia fantoche instalada a comprar grãos transgénicos da Monsanto. No Peru, a agência doou na década de 1990 35 milhões de dólares à campanha de Alberto Fujimori, cujas medidas económicas mergulharam o país na miséria. A solução do protegido da USAID não foi reduzir a pobreza, mas reduzir os pobres: Fujimori esterilizou à força 300.000 mulheres indígenas.

2. Enfraquecer e até eliminar as instituições do país de acolhimento, criando redes e entidades paralelas, promovendo a desnacionalização dos sectores fundamentais a favor da gestão dos “empreendedores”. Obviamente, o interesse da burguesia norte-americana não está na autossuficiência de outros países, mas sim no contrário.

3. Facilitar à CIA “colocar os seus homens nas polícias de países estratégicos em todo o mundo“, diz o ex-correspondente do New York Times, AJ Langguth. De facto, o orçamento da USAID é em parte o financiamento oculto das agências de inteligência dos EUA.

4. Fortalecer o domínio dos EUA sobre as finanças mundiais. Na Índia, país refém da China para Washington, a USAID em coordenação com o governo ultradireitista de Narendra Modi implantou a “digitalização da economia”, forçando dezenas de milhões de pessoas das classes mais desfavorecidas do país a abandonar o dinheiro em espécie a favor do digital, dando-lhes apenas um mês - Novembro de 2016 - para entregar as suas notas grandes ao banco, quando na maioria nem sequer tinham conta bancária. E que conseguiu a USAID?
a) Servir aos interesses das Tecnologias da Informação (TI), dos prestadores de serviços de pagamento e às empresas de cartões de crédito MasterCard, Visa e à Fundação Gates, que prometeram, em troca, doar um generoso cheque à ONU.
b) Para empobrecer os indianos, pondo fim às economias de muitos pequenos comerciantes e produtores, que não conseguiram depositar o seu dinheiro.
c) Apropriar-se dos dados dos utilizadores.
d) Ao reduzir o uso de numerário em todo o mundo, permite que os EUA fortaleçam o dólar através do predomínio das suas empresas sobre as finanças internacionais.
e) Monitorar os negócios globais: Washington pode, assim, sancionar, por exemplo, as empresas que trabalham com o Irão, como a chinesa Huawei.

5. Treinar as forças de repressão de um estado, preparando-as para desmantelar a resistência da população. Dan Mitrione, o homem da USAID no Uruguai dava na década de setenta cursos sobre a “arte complexa de interrogatório” e de como haveria que torturar os detidos, usando homens e mulheres sem-teto como cobaias humanas “ao vivo”. A USAID, juntamente com os Green Berets (Boinas Verdes) e a CIA, está envolvido na tortura, assassínio e desaparecimento de milhares de homens e mulheres progressistas da Guatemala, ao treinar para essa missão cerca de 30.000 policiais e grupos paramilitares. No Brasil, o Escritório de Iniciativas de Transição (OTI), um empreiteiro da USAID dedicado a desestabilizar governos não aliados, operou da mesma maneira. Uma de suas vítimas foi Dilma Rousseff, detida e torturada por ser uma estudante marxista.

6. Criar milhares de postos de trabalho para ONG’s estado-unidenses dotando-as de enormes fundos públicos e privados para servir os interesses de doadores como Rockefeller, Soros, Gates, Ford e Omidyar, enquanto abre os mercados às empresas norte-americanas. A própria USAID afirma devolver ao seu país cerca de 80% do dinheiro investido nesta organização. Uma vez Bush e seus aliados transformaram o Iraque em escombros à custa de mentiras em 2003, um dos empreiteiros da USAID, “a Creative Associates International Inc. (CAII)” foi premiado com um contrato no valor de 157 milhões de dólares para comprar ardósias e giz para escolas previamente destruídas pelos mísseis estado-unidenses. Outro, o International Relief and Development (IRD), recebeu 2,4 mil milhões de dólares para os mesmos fins, e a Halliburton e a Bechtel, outros tantos. No Afeganistão, o maior receptor das ajudas dos EUA, onde aterraram centenas de ONG ocidentais “peritas em gênero” para “salvar as mulheres”, a USAID destinou US $ 216 milhões em 2018 para capacitar 75.000 mulheres: de acordo com o Inspector Geral Especial para a Reconstrução do Afeganistão, eles empregaram apenas umas 50 e o dinheiro dos contribuintes desapareceu. Algo semelhante aconteceu a outros 89,7 milhões de dólares. Arnold Fields, o seu director, foi forçado pelo Congresso a demitir-se. “A democratização do Afeganistão”, dirigida por Bush-Cheney e 300.000 soldados da NATO e dezenas de milhares da subempreiteira “jihadista” do Pentágono, além de acabarem com a vida de quase um milhão de afegãos e causarem a fuga de milhões de famílias das suas casas, significou apagar da memória histórica desta nação a partir dos livros didáticos: poucos se lembram que a República Democrática do Afeganistão (1978-1992), dirigida pelos comunistas, eliminou a usura, o cultivo de ópio, legalizou os sindicatos, estabeleceu uma lei de salário mínimo, a contratação colectiva, a igualdade entre homens e mulheres o que permitiu que pela primeira vez 40% dos médicos fossem mulheres e o fosse também 60% do corpo docente da Universidade de Cabul. A educação foi declarada gratuita e universal, assim como a saúde, duplicando também o número de camas nos hospitais. De acordo com a Missão das Nações Unidas de Assistência no Afeganistão (UNAMA), o número de civis mortos ou feridos em ataques da NATO em 2017 aumentou 50% em relação a 2016, e dois terços eram mulheres, meninos e meninas . Hoje, nas escolas da USAID, não ensinam os valores da coletividade, mas o individualismo mais perverso do “salve-se quem puder”.

7. Minar a resistência ao imperialismo e às ditaduras aliadas em países sob tensão, aliviando a fome de forma pontual e em momentos específicos com esmolas, impedindo que a população se organize exigindo justiça social. No Egipto, tanto no período do regime de Mubarak como hoje sob o despotismo do geral Al Sisi, Washington obriga o Cairo a comprar-lhe armas quando milhares de pessoas vivem nos cemitérios, e depois envia a USAID para distribuir pão nos bairros que se levantaram durante a sequestrada “Primavera” de 2011, minando a resistência. Fez o mesmo no Haiti em bairros onde os trabalhadores tinham organizado “panelas públicos” para exigir justiça, distribui parcos sacos de comida, forjando lealdades, “todos beijam as mãos que os alimentam”, pensaram.

8. Provocar protestos populares contra os governos que repudia sob a bandeira da “Promoção da democracia”. A USAID foi expulsa da Rússia, dos países da ALBA (Bolívia, Cuba, Equador, República Dominicana, Nicarágua e Venezuela) e do Burkina Faso. Aqui, o presidente Thomas Sankara, o Che Guevara do Burkina Faso, foi derrubado por um golpe patrocinado pela França e assassinado em 1987, em punição pelas suas grandes medidas apontadas à autossuficiência da nação. A Líbia, um dos países mais desenvolvidos da África, é hoje o melhor exemplo desse tipo de “libertação”.

9. Criar os seus próprios meios de comunicação aparentemente despolitizados (Desportivos, musicais, etc.) enviando mensagens subliminares em defesa da economia de mercado, do consumismo, da ausência de solidariedade, etc. A USAID, através da OTI, introduziu em 2010 em Cuba um sistema de mensagens similar ao Twitter chamado ZunZuneo. Enquanto colectava os dados pessoais de centenas de milhares de utilizadores através dos seus telefones celulares, pretendia organizar a dissidência na web e também nas ruas. A Creative Associates International Inc. (CAII), outro dos empreiteiros da USAID, patrocinou alguns rappers para capturar os jovens.

10. Receber maior subvenção por maior destruição em resultado da guerra: em Março de 2017, os EUA bombardearam “por engano” um edifício em Mossul matando 105 civis iraquianos: dois dias antes a USAID tinha apresentado a solicitação de um novo orçamento para a reconstrução do Iraque: Mercadores de “guerra- construção”? Bombeiros pirómanos? Qualquer semelhança com a cena do filme “O garoto de Charlot”, em que Charlot propõe ao seu filho partir as janelas do bairro para lucrar com a instalação de novos vidros é pura coincidência!

Se a guerra e a pobreza não fossem tão lucrativas, seriam proibidas por lei.





Orixinal en ODiario.info