16:23 Martes, 15 de Outubro de 2019
Terra e Tempo. Dixital Galego de pensamento nacionalista.

11-06-2019

A Comissão Europeia apressou-se a negar que haja falta de cooperação entre as indústrias de armamento da UE e dos EUA

Zangam-se as comadres...

Valorar (9)

ÂNGELO ALVES


Os EUA detêm quase 40% do milionário mercado mundial de exportações de armamento que, segundo dados do próprio Departamento de Estado norte-americano, estará avaliado em 150 mil milhões de euros ao ano. Segundo dados de um relatório do Governo francês, divulgado na passada terça-feira, em 2018 as exportações de armamento francês aumentaram 30%. É sabido igualmente que a Alemanha é actualmente um dos grandes exportadores de armamento e que tem vindo a aumentar exponencialmente os seus gastos militares nos últimos dez anos, tal como a Itália.

A acentuada e acelerada deriva militarista da União Europeia, traduzida em medidas como o desenvolvimento da PESCO (Cooperação Estruturada Permanente), a criação do Fundo Europeu de Defesa ou o programado aumento de mais de 1000% nos fundos para o militarismo no próximo quadro financeiro plurianual, decorrem da opção de fundo das principais potências europeias de jogar mais forte no xadrez de cooperação/rivalidade no quadro da NATO.

Mas isso cria fricções entre as potências da NATO. E foi isso que aconteceu no passado dia 22 de Maio numa reunião em Washington entre o Secretário do Departamento de Estado dos EUA para as relações com a Europa e o comité de embaixadores de «política e segurança» da UE. Os EUA lançaram em jeito de ultimato a ideia de que se a UE não aumentar a compra de armamento aos EUA a cooperação militar transatlântica estará em causa. O «patrão» da NATO está irritado porque a União Europeia quer um quinhão maior do milionário mercado de armamento.

A Comissão Europeia apressou-se a negar que haja falta de cooperação entre as indústrias de armamento da UE e dos EUA, reafirmando a complementaridade da política dita de defesa da UE relativamente à NATO. E tem razão. Aliás, basta atentar no objectivo da já referida reunião – «definir as regras do Fundo de Defesa Europeu (FDE) e dos projectos de armamento comuns» – para perceber que por mais que as comadres se zanguem, não deixarão de ser comadres. Entretanto vão-se descobrindo as verdades. E a verdade é que de um lado e do outro do Atlântico o imperialismo aposta cada vez mais na indústria da morte.


O orixinal atópase en Jornal Avante!

Engade o teu comentario:

Os campos marcados con* son obrigatorios.









Aniversario Moncho Reboiras 2017


© Fundación Bautista Álvarez de Estudos Nacionalistas
Terra e Tempo (ISSN 1575-5517)
Avenida de Lugo, 219, 1º, 15703 • Santiago de Compostela • Galiza
981 57 02 65 – info#code#terraetempo#code#gal

A Fundación recibiu unha axuda da Deputación da Coruña na convocatoria de 2018 para a mellora da utilidade de páxina web. Deputación da Coruña